Os perigos da recentralização do mundo de pontas

A Internet foi concebida para ser operada de forma descentralizada, justamente para resistir à um ataque nuclear, paranóia muito comum durante o período da guerra fria. As maiores apropriações da rede foram feitas justamente dentro desta premissa, tanto as apropriações tecnológicas como o P2P como sociais como o crowdsourcing e o poder da auto organização.  O P2P é um protocolo que permite a troca de pacotes de pessoa à pessoa, ou melhor de muitas pessoas para muitas pessoas, com isto é possivel transmitir uma considerável massa de dados, sem sobrecarregar servidores ou braços da rede. O poder do crowdsourcing, da inteligência coletiva e da auto organização continuam um mistério para muitos, mas sabemos que sua base conceitual é justamente a descentralização e a ausência de uma liderança e da ultrapassada estrutura hierárquica.

Existem três manifestos que na minha opinião dizem muito a respeito da cibercultura, a nossa cultura, e das características fundamentais da rede. São eles o Manifesto Cluetrain, o Manifesto da Cultura Livre e o Mundo de Pontas.

O mundo de pontas trata justamente desta questão da descentralização que é a alma da cibercultura, a alma da internet. Ele mistura um pouco da estrutura da rede com as pessoas, é um passeio pelas camadas da conectividade como uma radiografia do complexo ecossistema social que se forma no século XXI, e tudo de uma forma bem simples. O manifesto destaca a clássica frase de John Gilmore: “A Internet interpreta a censura como um defeito e roteia para contorná-la”, numa constatação de que é impossível censurar a Internet. Outro trecho interessante é na declaração a seguir:

Não é o fim do mundo, é o mundo de pontas

Quando Craig Burton descreve a arquitetura burra da Internet como uma esfera oca composta inteiramente de pontas, ele está usando uma imagem que mostra o que é mais extraordinário sobre a arquitetura da Internet: retire o valor do centro e você viabilizará um crescimento louco de valor nas pontas interconectadas. Porque, claro, se todas as pontas estão conectadas, cada uma com cada uma e cada uma a todas, as pontas deixam de ser pontos finais.

E o que nós, pontas, fazemos? Qualquer coisa que pode ser feita por qualquer um que quer mover bits.

Notou nosso orgulho em dizer “qualquer coisa” e “qualquer um”? Isso decorre diretamente da arquitetura simples e burra da Internet.

Porque a Internet é um acordo, não pertence a nenhuma pessoa ou grupo. Não às empresas estabelecidas que operam a espinha dorsal (“backbone”). Não aos provedores que nos fornecem conexões. Não às empresas de “hosting” que nos alugam servidores. Não às associações de indústrias que acreditam que sua sobrevivência é ameaçada pelo que nós outros fazemos na Internet. Não a qualquer governo, não interessa quão sinceramente acredita que está tentando manter seus cidadãos seguros e complacentes.

Conectar à Internet é concordar em crescer o valor na periferia. E aí algo realmente interessante acontece. Todos estamos igualmente conectados. A distância não importa. Os obstáculos desaparecem e pela primeira vez a necessidade humana de conectar pode ser realizada sem barreiras artificiais.

A Internet nos dá os meios de nos tornarmos um mundo de pontas pela primeira vez.

Nos sabemos usar este ecossistema à nosso favor,  mas o establishment (Tripé do atraso) também sabe, ou melhor pode pagar para quem sabe trabalhar para ele. Desde a campanha eleitoral, que venho afirmando categoricamente que a Internet esta sofrendo um cerco técnico, altamente qualificado. São verdadeiros profissionais que estão usando e analisando a estrutura da rede e reduzindo comportamentos à modelos matemáticos, como um derradeiro esforço para recuperar o poder do establishment, que vem se diluindo rapidamente, e se não ficarmos atentos eles irão conseguir!

Os movimentos dos cercos técnicos, que é como chamo o movimento do establishment acima, atuam em diversas esferas, seja na trollagem, ou seja na manipulação das percepções e também agora parecem estar atacando como verdadeiros lobos em pele de cordeiro no sentido de recentralizar a web. O bacana disto tudo é que as duas teses dos perigos da recentralização vieram de meu filho, um típico representante da geração digital, sinal de que esta geração esta atenta. A primeira tese é o perigo das nuvens e agora os práticos serviços de download remoto de torrents.

Nuvens podem causar temporais

A midiaticamente propalada computação nas nuvens vem aos poucos mostrando a sua verdadeira face, que é a a de recentralizar o mundo de pontas, eu nunca havia percebido isto até que um dia meu filho me apresentou o Onlive, um site de jogos nas nuvens que a partir do pagamento de uma mensalidade permite que você jogue até mesmo a partir de um set top box para a TV. A Som Livre também lançou um serviço nas nuvens, o Escute, musicas com DRM que estão disponíveis por uma pequena mensalidade, uma conveniência que pode aprisionar, basta que tenhamos dispositivos moveis com custos de conexão mais baixos e velocidades mais altas, o próximo passo poderia ser a redução da “desnecessária” memória dos mesmos em detrimento da “performance”, isto sem contar da “conveniente” conectividade permanente.

Bom, mas onde esta o problema disto? Imagine que a moda pegue, nossos computadores voltariam a ser terminais quase burros, conectados à inteligente e centralizada nuvem para a qual pagariamos mensalidades para termos acesso à nossas produções, preferencialmente em formato proprietário. Ou seja, a inteligência da rede migraria para o centro, tornando-se vulnerável e mais facilmente controlável. José de Alcántara disponibilizou o e-book “La neutralidad de la Red” que dada a importância o disponibilizou sob a forma de domínio público, abrindo mão de quaisquer direitos. Neste e-book Alcántara faz exatamente esta abordagem, observem as topologias de rede abaixo:

No livro ele descreve que na rede centralizada, toda comunicação passa necessáriamente por um ponto central, de modo que o desaparecimento deste ponto irá desarticular totalmente a rede. A rede descentralizada é compostas de várias redes centralizadas interconectadas, entretanto a ruptura dos nós centrais das redes, ou a desconexão destas irá facilmente desarticular toda a rede, por fim a rede distribuída é radicalmente diferente das demais, não existe nó central, e a supressão de um ou mais nós não afetara a comunicação de forma alguma, esta é a Internet que temos hoje.

Jose também fala dos riscos da recentralização, apresentando-o como os serviços, não só das nuvens, como podemos entender as redes sociais privadas, APIs e protocolos fechados e proprietários, veja este trecho do livro:

La recentralización de la infraestructura

Aparte de los proveedores de acceso a Internet, cuyo objetivo principal es el de hacer valer su posición privilegiada -actualmente son la única puerta de acceso real a Internet- para obtener un beneficio desproporcionado, existe otro grupo de empresas que pretenden desequilibrar la balanza de la neutralidad de la Red a su favor: se trata de los grandes prestadores de servicios por Internet.

En esencia, estos prestadores de servicio actúan ofreciendo sus computadoras al público general, de forma que éste utiliza la infraestrectura como si de un servicio centralizado más se tratase, en lo que se conoce por el nombre de Infraestructura como servicio (Iaas).2.43.

Estos servicios de infraestructura centralizados funcionan de muy diferente manera e incluyen desde los servicios de computación en la nube,2.44 en los que el prestador de servicio alquila computadoras y potencia de cálculo para el propósito que el cliente desee, hasta los servicios de software centralizado en los que el prestador de servicio no sólo centraliza la infraestructura sino también el software. En general, tanto uno como otro disminuyen el grado de distribución de la Red.

Acredito que tenha ficado mais claro o grande risco da recentralização da rede, recomendo fortemente a leitura do e-book de Alcántara.

Centralizadores de torrents

O genial protocolo P2P, que é a base fundamental para a manutenção da liberdade na rede na construção de mecanismos anti-censura como sistematizado neste texto na EFF. Como citado no inicio deste texto, é um protocolo que permite a transferência otimizada de uma grande massa de dados sem sobrecarregar servidores e braços da rede. Com base neste protocolo surgiu o BitTorrent um protocolo de distribuição de arquivos. O BitTorrent funciona basicamente assim: Para cada arquivo ele constroi um mapeamento e vai capturando partes de arquivos de diversos usuários, os seeders. Todo usuário ao mesmo tempo que baixa um arquivo por BitTorrent esta ao mesmo tempo enviando partes dele para outros, quanto mais “seeders” mais rapidamente os arquivos são transferidos.

Surge então o LeechMonster, um “prático” serviço que baixa os torrents para você “anonimamente” e permite que você posteriormente os baixe via http ou ftp em alta velocidade. Um prático serviço a principio, mas veja que ele irá tirar milhares de “seeders” e será apenas um “seeder”, e aos poucos justamente por falta de “seeders” o serviço se tornará mais indispensável, e na mesma proporção irá matar o BitTorrent que se tornará uma solução muito lenta, recentralizando a rede mais uma vez.

Portanto, fique atento, não aceite “almoço gratis” com facilidade, pense antes se ele vai ser uma alta conta a pagar no futuro…

Foto: a imagem do globo com as peças foi produzida por Sanja Gjenero

Postado originalmente no Trezentos.

    6 comentários sobre “Os perigos da recentralização do mundo de pontas

    1. Pingback: #RioBlogProg

    2. Pingback: João Carlos Caribé

    3. Pingback: Buzz Makers !

    4. Pingback: João Carlos Caribé

    5. Pingback: Julio C. Carvalho

    6. Pingback: João Fernando C. Jr.

    Deixe uma resposta