Reescrevendo a história da democracia Brasileira

“Não são as pessoas que tem grandes idéias que mudam o mundo, e sim as que acreditam nelas”.

Esta curiosa frase veio à minha cabeça na minha caminhada vespertina, ela de certa forma sintetiza tudo que esta acontecendo em termos de ciberativismo no Brasil.

O movimento ciberativista vem de muito tempo, eu me engajei em 2006 quando combatiamos o então projeto do Azeredo, éramos verdadeiros Quixotes, poucos se interessavam, muitos criticavam. Continuávamos acreditando na Internet livre, o Senador Eduardo Azeredo revelou-se inimigo numero um da Internet livre, dai a razão dos ataques às suas idéias e projetos. Projetos alias que não perecem ser de fato elaborados pelo Azeredo e suas assessorias diretas, pois em entevista recente o Senador não sabia o que era um DRM por exemplo, e vem cometendo outros lapsos, deixando cair a pele de cordeiro que oculta o lobo de suas intenções.

O movimento ciberativista tem sua beleza não nas ações individuais, ele não tem por objetivo construir ícones, mas sempre quem acaba se envolvendo mais acaba ficando em evidência, mas o importante mesmo é o trabalho em rede, a disseminação em rede. Um trabalho de pesquisa, publicação e articulação é importante num movimento destes, mas o simples trabalho de disseminação, quanto mais em rede é tanto ou mais importante. Disseminadores são hubs, uns são hubs melhores que outros, mas muitos hubs fracos com um pequeno grupo de contados, pode atingir um hub mais forte ou até um super hub que ajudam a disseminar com mais intensidade e até na formação de novos núcleos ciberativistas.

Para tentar explicar este movimento, vou usar uma metáfora, imagine que a internet seja um lago, e os usuários (hubs) estivessem na margem (ponta). Um deles joga uma pedra azulada, alguns usuários percebem a começam a jogar pedras azuladas, umas maiores outras menores, a cada pedra novos usuários começam a jogar as suas, até um momento em que o lago tenha se transformado em um intenso maremoto. Como o lago é muito grande, depois de algum tempo as ondas chegam em outras margens (pontas), e um novo movimento de pedras azuis é iniciado, e um novo maremoto se forma, em outras pontas novos movimento se iniciam, até um ponto em que o maremoto seja intenso e cubra uma enorme extensão do lago. Neste ponto temos o que chamamos de “meme“. Volta e meia neste processo, a mídia, que é um super hub, joga as pedras azuis também, em geral joga pedras bem grandes, que colaboram em muito com o maremoto informacional, mas em momento algum, um único hub mainstream, mesmo que ele seja um super, ultra mega hub, conseguira produzir um maremoto destes, com esta intensidade e uniformidade.

Dai a importância do trabalho em rede, dai a importância do menor esforço de cada um, o que importa mesmo é a soma destes esforços, todos são importantes, todos mesmo, todos estão fazendo a história, estamos assim dizendo, escrevendo uma nova página na história da democracia Brasileira.

O que estamos fazendo agora, e o que esta acontecendo na sociedade Brasileira, será ensinado nas escolas daqui à alguns anos, acredite. Não sei que nome darão a este movimento ciberativista, mas ele terá um nome, ou diversos, e falará do dia em que pessoas conectadas conseguiram fazer um Senador (Mercadante) colocar treze emendas em um projeto extremamente totalitário, reduzindo seu impacto. Este mesmo enorme grupo conseguiu uma audiência pública na Câmara, e não foram os representantes que protocolaram a audiência que a conseguiram sozinhos. Foram cada um, cada assinatura na petição, cada blogueiro, cada twittada, cada boca-a-boca, cada cidadão que juntos pavimentaram as condições ideais para esta audiência. Nesta audiência, um de nossos ilustres representantes, Sérgio Amadeu, teve uma participação gloriosa, que fora fortemente ampliada e defendida pelo Deputado Paulo Texeira, onde no final das contas, o manto de cordeiro do projeto caira definitivamente, revelando-o totalmente nú como um projeto que beneficiará os bancos e a indústria cultural.

Os próximos passos ainda não podemos precisar, mas o delicioso gosto da vitória esta hoje, na boca e na mente de cada “formiguinha” que acreditou e trabalhou neste sentido. Para todos os ciberativistas, e futuros ciberativistas, meus parabéns, estamos reescrevendo a história da democracia no Brasil.

Este post é uma colaboração para o dia da blogagem política, recomendo que você participe da rede ciberativismo e assine e divulgue a petição online contra o vigilantismo.

    4 comentários sobre “Reescrevendo a história da democracia Brasileira

    1. Pingback: Buzz Makers !

    2. Pingback: Campus Party BR 2008

    Deixe uma resposta