No fim, todos voltaram a ser verdes…

Existe vida em um planeta muito distante, pesquisadores estudam a história de sua espécie. Descobriram que a vida inteligente surgiu do continente de Akuarelus, onde a milhares de anos, eram todos indivíduos verdes. Viviam inicialmente do extrativismo e eram nômades, e assim foram migrando pelo planeta. Aos poucos foram evoluindo, construindo ferramentas, descobrindo a agricultura a pecuária e deixaram de ser nômades, instalaram-se em diferentes locais do globo. Isto se deu ao longo de milhares de anos, e os indivíduos verdes foram evoluindo geneticamente, adaptando-se a sua nova condição e ao seu ambiente. Em alguns lugares ficaram amarelos, em outros azuis e em outros continuaram verdes, na verdade existia uma intensa matriz de cores entre o azul e o amarelo, mas todos, apesar da cor, eram biologicamente iguais, a cor era uma consequencia da adaptação ao meio ambiente.

Esta civilização continuou evoluindo, a liderança não se dava mais pela força, e sim pela habilidade intelectual, e principalmente pela sua experiência. Os indivíduos continuaram vivendo em grupos, e seus descendentes continuavam nas mesmas vilas, que logo se tornaram cidades. Nestas cidades culturas se formavam, cada cidade, cada pais com suas crenças e valores, e em sua maioria todos eram da mesma cor, eram todos “iguais”.

Alguns exploradores amarelos, agora providos de cavalos e curiosidade, seguiam viagem em busca de novas civilizações, em seu material genético e em sua história não constava mais a origem de sua espécie, não tinham como entender o movimento migratório que ela fez, e muito menos o que o motivou. Certo dia um grupo de exploradores encontrou uma vila, viu que nela existiam indivíduos azuis, ficaram curiosos em conhecer estes indivíduos, que logo demonstraram sua curiosidade recíproca. Se olharam, se tocaram, com a curiosidade de quem nunca havia imaginado que existiria indivíduos diferentes. Estavam ai descobrindo os diferentes, e com esta descoberta veio a dúvida: Quem será a civilização mais avançada?

Os exploradores amarelos observaram que os azuis viviam de forma mais simples, em casas menos arrojadas, e com simplismo concluíram que os azuis eram menos evoluídos, e pior, que eram inferiores. Por outro lado no sistema de valores dos azuis quem era menos evoluído eram os amarelos, que não sabiam mais caçar e muito menos seguir os rituais dos azuis. Eram civilizações diferentes, com crenças e valores diferentes, construídos por motivações exclusivas e ligadas ao ambiente em que estavam inseridos. Os exploradores amarelos retornaram a sua cidade, e ao chegar falaram de uma estranha civilização de azuis.

Não se falava em outra coisa, só se falavam dos diferentes, e assim um mito estava sendo construído, estavam conceituando os azuis, ou melhor estavam construindo um preconceito a cerca dos azuis. A ignorância e o preconceito construíram uma péssima imagem dos azuis, na verdade todo este preconceito já era direcionado aos diferentes, e ai neste contexto se inseriu um novo diferente, os azuis.

Anos depois um grupo de exploradores azuis chegou à cidade, achando que iriam encontrar os amáveis amarelos que conheceram, sua cultura concebeu um preconceito positivo dos amarelos, chegaram à cidade de peito aberto e foram recebidos sob intenso ataque. Perplexos recuaram e ficaram imaginando o que poderia estar acontecendo, porque razão eles foram recebidos daquele jeito? Porque tanta hostilidade? Os exploradores azuis retornaram a sua cidade e ao chegar falaram da hostilidade dos amarelos, e um novo preconceito se construira, era mau entendido sobre mau entendido, no final das contas a hostilidade agora era bilateral.

Como em toda sociedade, existem críticos e pensadores, que acabam construindo um sistema de crenças e valores diferente de seus iguais, curiosamente dois grupos de dissidentes, um azul e um amarelo resolveram deixar suas cidades para criar uma nova cidade, uma cidade onde a cor não faria parte do sistema de valores, e onde todos são iguais. Esta vila de azuis e amarelos cresceu e se tornou uma grande cidade de cidadãos verdes, diversos tons de verde, e com o passar do tempo poucos eram os indivíduos azuis ou amarelos. Os pouco que existiam eram imigrantes da cidade dos azuis ou da cidade dos amarelos, novos dissidentes.

A cidade dos verdes vivia pacificamente, enquanto a hostilidade entre os azuis e amarelos crescia sem parar, os cidadãos das duas cidades já agiam de forma irracional, atacavam qualquer diferente que via pela frente, os azuis não podiam entrar na cidade dos amarelos e vice-versa. A hostilidade estava ficando paranóica, os amarelos enviaram uma mensagem para os verdes para não acolherem mais indivíduos azuis, o mesmo fizeram os azuis que pediram aos verdes para não acolherem mais amarelos. Os verdes que não tinham hostilidade contra nenhuma outra cor, e muito pelo contrario, faziam questão de ignorar este detalhe da pele, responderam que além de não acatar com o pedido dos amarelos e dos azuis, estavam abertos para receber dissidentes das duas cidades.

Azuis e amarelos entraram em guerra, e dentro de um estado de excessão existe muita permissividade, soldados azuis se relacionavam com mulheres amarelas e soldados amarelos com mulheres azuis. No fim da guerra houve um intenso baby boom, de bebês verdes. As duas cidades agora tinham cidadãos diferentes, filhos de seus iguais com “aqueles malditos” soldados inimigos. As pobres crianças verdes sofreram todo tipo de discriminação, cresceram sob esta égide, eram culpados até prova ao contrário. Tudo que acontecia de errado era culpa dos malditos verdes.

Os verdes adultos casaram com amarelos, azuis, ou até outros verdes, misturando cada vez mais as cores, com o tempo existia um grande núcleo verde em cada cidade, mas infelizmente continuavam sofrendo preconceito, inclusive os azuis e amarelos que casavam-se com os verdes. Um sistema claro de separação de cores foi instalado, de forma a garantir que ainda existiriam azuis e amarelos puros, pois estes verdes eram os “vira lata” da sociedade.

As cidades dos azuis e dos amarelos não tinham o sistema de valores da cidade dos verdes que por não ter conflitos evoluia vertiginosamente. Com a evolução, com o poder, chegara a arrogância, agora os verdes eram de fato superiores aos amarelos e azuis, e passaram a ser a sociedade dominante, os diferentes agora eram os amarelos e os azuis. Não demorou muito para o poder dos verdes romper com os valores liberais construídos durante séculos, começaram a tratar os cidadãos amarelos e azuis como cidadãos de “segunda categoria”, passaram a impedir sua entrada em sua cidade.

Tudo isto acabou unindo as cidades dos azuis e dos amarelos, que ao longo dos tempos foram se relacionando até que poucos azuis e amarelos restaram no planeta. Todos voltaram a ser verdes, todos iguais, e agora? Quem são os melhores?

Postado em 2009 no Trezentos

    12 comentários sobre “No fim, todos voltaram a ser verdes…

    1. Pingback: João Carlos Caribé

    2. Pingback: Beto Mafra

    3. Pingback: #RioBlogProg

    4. Pingback: #RioBlogProg

    5. Pingback: #RioBlogProg

    6. Pingback: #RioBlogProg

    7. Pingback: #RioBlogProg

    8. Pingback: Buzz Makers !

    9. Pingback: João Carlos Caribé

    10. Pingback: João Carlos Caribé

    11. Pingback: João Sérgio

    12. Pingback: João Sérgio

    Deixe uma resposta