Mantras da Irracionalidade – Carros são poder

Na noite de sexta feira (25/02/11) um motorista atropelou intencionalmente dezenas de ciclistas que faziam uma manifestação pacífica em Porto Alegre. Ele simplesmente arrancou e foi jogando os ciclistas para o alto, um ato criminoso e hediondo. Quem lê não acredita que exista na sociedade dita civilizada tal monstro, mas infelizmente existem, e muitos! Mas se você ainda não acreditou ser possível tamanha loucura então assista aos vídeos abaixo, mas prepare-se, as imagens são fortes:

Não vou entrar no mérito e nem nos detalhes do caso, já tem muita gente falando a respeito, meu objetivo é desconstruir mais  mantras da irracionalidade (conceitos e valores que estão equivocados e que são repetidos como sendo a verdade além da verdade, subvertendo a nossa própria subjetividade).

Helton fez uma ótima reflexão sobre o caso de onde extraio algumas partes que servem de ponto de partida para nossa desconstrução:

[..]Mas eis que então se abate sobre nós o Martelo de Thor, personificado por um irresponsável e infelizmente típico representante

  • de uma classe sócio-econômica
  • de um modelo de comportamento
  • de um modelo de pensamento

que – e é assim… – tem PODER para oprimir e agredir.

E o que mais entristece é que esses modelos de comportamento e pensamento:

  • são conhecidos, mas não são questionados ou combatidos;
  • são, ao contrário, estimulados por uma série de forças sociais e econômicas;
  • têm esse estímulo ratificado cooperativamente pelo Governo, que deveria ser o primeiro órgão regulador a, em benefício da coletividade, combatê-lo.[..]

Helton segue ainda citando trechos do livro “Fé em Deus e Pé na tábua” do renomado sociólogo brasileiro Roberto da Matta, de onde tiro recortes que interessam à minha linha de raciocínio:

[..]No Brasil, o papel de motorista e seus veículos são lidos como emblemas de desigualdade. Há um contraste entre o gozo doato de dirigiu o prazer de estar ao volante, com uma total ignorância da responsabilidade civil deste ato no que diz respeito às suas consequências. Escapa aos motoristas qualquer conotação negativa do veículo, como sua potência e sua capacidade para produzir acidentes, danos e mortes.[..]

[..]Temos, então, por um lado, os motoristas (que enfiam o pé na tábua), que se pensam como tendo somente privilégios e direitos; e, por outro, os pedestres (englobados pela fé em Deus), vistos como subcidadãos cujo atributo é ter um conjunto de deveres ou obrigações. Neste sentido,  fomos tão longe em nosso descaso com qualquer compromisso com a igualdade como um dever (e um direito) de todos, que os motoristas têm o privilégio de ocupar as ruas usando-as como bem entenderem, assim como as calçadas e praças.[..]

As primeiras declarações do Delegado Gilberto Almeida Montenegro sobre o incidente com movimento “Massa Crítica” estavam completamente contaminadas com os “trojan intelectuais” que quero demonstrar.

[..]Faz a tua manifestação, mas não impede o fluxo de automóveis. Se tu impedes, dá confusão, dá baderna, dá acidente. Fica o alerta”, afirmou.[..]

[..]De acordo com o delegado, ainda não é possível afirmar que o motorista teve a intenção de atropelar o grupo de ciclistas. “Eu não sei o que aconteceu, preciso ouvir ele. Daí nós vamos ver se houve intenção”, afirmou Montenegro.[..]

Indignou-se? Muita gente na web ficou indignada, e com toda razão, o @setesete77 respondeu com precisão que bicicleta é veículo, e não atrapalha o trânsito, elas estavam sendo o trânsito. Mas infelizmente muita gente não entende isto, como o Delegado Montenegro, o “trojan intelectual” descrito por Roberto da Matta acima, há muito intronizou nestas mentes.

É nesta luta que o Massa Critica tem focado, o de mostrar que bicicleta também é veiculo, que tem tanto direito de uso das vias como os outros veículos. É difícil entender isto com clareza em um sistema de valores onde as pessoas são avaliadas por sua forma de consumo, pelo que ela aparenta ser. É a visão centrada no capital, a lógica do capital e do consumo que aprisiona e absorve o cidadão. Cidadão este que vive o mito de Sísifo, transitando cegamente entre trabalho, consumo e prazer, mas sempre dentro da ótica centrada no capital, onde o prazer está no ato de consumir, e o consumo é quase uma religião do deus Capital como idealizou Victor Lebow.

O @caouivador segue criticando as afirmativas do Delegado equivocado, e “ousou” comparar os direitos dos pedestres com os dos motoristas. Imagine se os motoristas podem esperar dois minutos para dobrarem a esquina e fugir dos “lentos” ciclistas…


Já o @massacriticaPOA foi preciso, foi no cerne da questão, foi exatamente no núcleo do “trojan intelectual”, questiona justamente a prática jurídica envolvendo acidentes de carro, sempre são registrados como acidente, nunca os motoristas são punidos criminalmente como deveriam.

Segundo o Código Brasileiro de Trânsito (CBT), bicicletas e pedestres devem ter prioridade sobre os carros. Não respeitar esta prioridade é considerado infração gravíssima, mas isto não é fiscalizado pelo poder público e nunca um motorista fora multado por ameaçar um pedestre ou um ciclista. O mesmo poder público que não coíbe a prática da invasão dos espaços dos pedestres pelos “poderosos” motoristas, e o mesmo poder que possui representantes como o Delegado Montenegro e outros com a mesma ótica centrada no capital e no poder, e não no coletivo e no cidadão comum.

Por conta das afirmativas do Delegado Montenegro e pela insistência do PIG em minimizar a culpa do atropelador, rapidamente surgiu a tag #montenegrofacts e o avatar de protesto abaixo. Estas respostas rápidas nos leva a perceber que a Internet esta cada vez mais parecida com uma teia de aranha, onde qualquer movimento em uma de suas bordas, alerta todos os pontos da rede, estamos todos conectados!

Embora muitos neguem, ou até não percebam, praticamente todos temos nossa subjetividade manipulada, seja por dogmas, princípios e valores que foram introjetados em nossa cultura ou por algumas técnicas manipulatórias usadas pela mídia de massa, vulgo PIG. Precisamos questionar nossas convicções, perguntar a elas se elas são mesmo nossas! Para isto é preciso que você desconstrua-as em suas mentes e tente enxergar as coisas por uma outra ótica. Pense por exemplo como seria um mundo onde todos tivessem o mesmo direito de ir e vir, independente do veículo que usam, uma utopia dirá você…

Douglas Rushkoff é meu autor predileto na prática da desconstrução do pensamento. Em seu livro Life Inc, ele começa contando uma história simples mas emblemática que é mais ou menos assim:

Era véspera de Natal e ele estava em frente ao seu apartamento colocando o lixo para fora quando um homem o assaltou. Mais tarde ele postou uma mensagem em um grupo de discussão do seu bairro, para que os vizinhos tomassem cuidado para não serem vitimas de assalto também. As duas primeiras respostas que ele recebeu foram de pessoas furiosas, criticando-o por ter postado aquilo, pois esta notícia poderia afetar o valor de seus imóveis. Rushkoff ficou perplexo com o fato das pessoas darem mais importância ao valor de mercado de suas casas do que ao lado humano de sua vizinhança.

São observações óbvias do cotidiano distorcido como estas, que nos fazem perceber que não somos donos de nossas subjetividades, tomá-las de volta exige que nos afastemos do ciclo Sísifico do consumo e paremos para pensar nos verdadeiros valores da vida. Obviamente não interessa ao “establishment” que façamos esta reflexão, senão poderemos descobrir que os verdadeiros valores da vida não custam dinheiro algum.

Já parou para pensar que o filme Matrix pode não ter sido uma ficção construida em torno da tese da singularidade tecnológica, e sim uma fábula debochando deste sistema? Aliás não precisamos ficar presos só neste exemplo, Aldous Huxley previu em seu livro distópico Admirável Mundo Novo, escrito em 1932, uma sociedade perfeita, com castas, sem vínculos afetivos e familiares, onde seus membros dedicavam-se plenamente ao prazer e ao consumo e onde as sociedades tradicionais eram vistas como “selvagens”.

Para que possamos começar a entender porque nossa sociedade dá tratamento privilegiado aos crimes automotivos e aos automóveis, vamos avaliar a base desta questão.

Observe o tamanho e o poder da Indústria que orbita em torno do automóvel. São petrolíferas, metalúrgicas, montadoras e todo um conjunto de atividades econômicas que circundam estas potências de Capital Intensivo. Esta Indústria emprega milhões de pessoas e possuem uma participação significativa no PIB dos países onde estão instaladas. São vistas pela ótica capitalista como de extrema importância para as nações onde estão instaladas, mesmo que os custos sócio ambientais sejam maiores, estes curiosamente não fazem parte da avaliação.

Por conta desta cadeia industrial já tivemos guerras, e todo tipo de jogo do poder para subjugar tanto o consumidor como os produtores de matéria prima, o primeiro que não deve enxergar o verdadeiro custo do seu automóvel e o segundo que não deve enxergar a verdadeira importância e custo social de suas matérias primas. Transformar os produtores de matéria prima em consumidores do produto acabado é o objetivo  primordial de qualquer indústria. Quanto mais se consome, menos se pensa, e o capital concentra-se no meio, no intermediador das pontas, curiosamente oposto à Internet onde seus valores estão nas pontas.

Neste sistema, a publicidade hoje trabalha na percepção, no fazer sentido, na esfera do parecer, não se vende mais um produto com foco em seus atributos e qualidades e sim nas supostas emoções e fantasias que este produto poderá proporcionar. Indústrias não fazem publicidade para mostrar as vantagens de andar a pé ou de bicicleta da mesma forma, o fazem da forma antiga, focando nas qualidades e não na fantasia e emoções.

Na construção distorcida da realidade por conta de tudo que falei acima, possuir um carro dá ao proprietário a percepção de poder, de status, leva ele para o mundo maravilhoso da fantasia, mesmo que ele seja dono apenas de uma mínima parcela, o Banco que financiou seja o verdadeiro dono do “mimo”.  Este tão almejado símbolo de status faz com que muitos “possuam” carros que muitas vezes custem mais que suas próprias casas! Não podemos esquecer que os bancos fazem parte deste sistema, e que são eles na verdade o maior proprietário de automóveis.

Todo este interesse e poder agora desnudados nos fazem perceber o quanto seria difícil admitir que um carro seja uma arma e que em caso de acidente o motorista seja considerado um criminoso tal qual se tivesse portando-a. Se assim fosse não seria possível vender a fantasia de possuir um carro. Sendo este uma arma, muitos iriam desistir de comprar um carro por conta dos riscos de dirigi-lo. E por fim para dar uma sensação de justiça neste sistema perverso de valores, temos a indústria da multa que terceiriza a responsabilidade do motorista, fazendo-o crer que se não dirigir alcoolizado ou rápido demais não estaria pondo em risco a vida de ninguém…

    10 comentários sobre “Mantras da Irracionalidade – Carros são poder

    1. Pingback: João Carlos Caribé

    2. Pingback: Renan A. Marks

    3. Pingback: #RioBlogProg

    4. Pingback: Buzz Makers !

    5. Pingback: João Carlos Caribé

    6. Pingback: Zé Ricardo

    7. Cara, sério, eu sou o primeiro a concordar contigo, que o carro é uma fantasia, é um mito. Eu diria até que o carro é uma incorporação da “divindade do dinheiro”.

      Mas ao mesmo tempo eu também não me esqueço que a ideologia da bicicleta é uma forma de se pagar de intelectual, ou seja, uma tentativa de ser mais amado. (Note-se que eu super me pago de intelectual e estaria em maus lençóis se não pudesse fazê-lo…)

      Ou seja, certeza que o cara compra um carro para se pagar de gostoso, mas ao mesmo tempo será que ele é um vilão por isso? Ou uma vítima de uma vida vazia que não lhe oferece outras formas mais saudáveis de ter alguma sensação de poder?

      De novo, eu concordo com você. Eu só não vejo respostas, nem mesmo as respostas que você coloca como “utópicas”…

    8. Que bom que você ficou na dúvida, é esta a ideia, quando escrevo é para tirar as pessoas da zona de conforto, é este meu objetivo. Questionar o “inquestionável”.

    Deixe uma resposta