Entropia negativa e a crise existencial

O Orlando publicou um interessante post no Netnografando, repito aqui alguns trechos e comento a seguir:

[..] Na nossa luta diária pela sobrevivência quem alcança o poder para falar também tem o poder de calar. Blogueiros Profissionais estão fechando bons negócios, sendo contratados para iniciativas em Social Media, montando novas empresas, mas não blogam mais. [..]

[..] Constatei numericamente o que já vinha percebendo. O SimViral (11,4 posts por semana) é disparadamente o campeão dos blogs que acompanho. A maioria está na média de 4 posts por semana. Já a turma da Blog Content está assim: Inagaki (3,5), Edney (2,6) Ian Black (1,6), Gustavo Jreige (0,2).[..]

[..] Blogueiros Pró = Organizações; Google = Organização; Google = Entropia negativa; Entropia negativa = Blogueiros Pró. [..]

Uma ótima reflexão do Orlando, para mim ela tem várias leituras, é quase um manual de planejamento pessoal, deixa eu explicar:

Eu tive uma experiência de vida que segue o caminho inverso destas teoria, trabalhei por 13 anos em Engenharia, fazia projetos, acompanhava Obras no Rio e Costa Verde, viajava muito. Achava obra um saco, mas era o meu ganha pão. Na ansia de tornar meu trabalho “tragável” desenvolvi a técnica de enxergar o lado bom das coisas: Se tinha de viajar, levava a namorada, se tinha de ir à obra, ia cedo para “voar” de tarde e coisas assim. A minha busca por prazer onde só tinha desprazer me levou a construir uma gestão eficiente, descartando bobagens e vaporizando estratégias micro-políticas corporativas. Tudo me baseando numa filosofia que tinha numa placa que herdei de minha avó que dizia: “Se o destino lhe der um limão, faça uma limonada”

Voltando ao post do Orlando, um dos casos mais gritantes de entropia negativa ele não citou, que foi o caso do Fugita, ele praticamente desapareceu. Ele pode não estar percebendo, mas esta sofrendo um processo lento e gradual de queda no share of mind, e pior pode estar ficando desatualizado. Curioso é que como você falou, o corporativismo provoca esta entropia negativa.

No caso específico dos blogs pessoais destes blogueiros citados, eles serão suplantados por novos blogs, de novos blogueiros, seus fãns, ávidos por escrever e produzir conteúdo de qualidade, baseado nos blogs que eles idolatram.

Esta observação que o Orlando citou não é um caso isolado, boa parte da população parece sofrer da síndrome da entropia negativa no tocante ao prazer, por conta da entropia positiva no trabalho. Se levarmos para o lado social, os que já passaram dos 30 devem perceber que aos 20 viviam em intensa entropia, uma balada após a outra, novidades em sequência, puro prazer, a melhor fase de nossa vida, àquela que ficará para sempre em nossa memória. Depois vem a familia, o trabalho, filhos e quando percebemos trocamos de persona, aquele cara descolado virou um coroa careta. Quando tentamos contato com a nova juventude, percebemos que ficamos desatualizados, girias, conceitos, cultura, hábitos, tudo diferente, entramos em choque não sei se mais pela diferença cultural ou pela constatação que ficamos tempo demais afastados do “mundo”.

Este cenário pode se repetir em diversos contextos, seja ele profissional, educacional, pessoal, digital, não importa qual. O que importa é como o Orlando levantou, a existência de uma entropia negativa e que vai acabar provocando uma entropia positiva em outro extremo, seja isto bom ou ruim. O problema em si não está nesta transição entrópica, mas sim no tempo e na frequência que ela dura. Se ela fosse freqüente, não teríamos choques, se tivessemos condições de transitar com facilidade entre estes dois estados, melhor ainda.

Voltando para o exemplo corporativismo x blogs, ou profissão x lazer, podemos ver que algumas empresas perceberam não por esta ótica, mas costumam dar um tempo a seus funcionários, no Google 20% do tempo para projetos pessoais, uma empresa Brasileira (esqueci o nome) instituiu o “dia do endredon” onde o funcionário tem o direito de faltar um dia na semana. E contrariando todas as expectativas estes funcionários tornam-se mais produtivos.

Os alquimistas já diziam: A diferença entre o remédio e o veneno está na dosagem.

Pense nisto…

    9 comentários sobre “Entropia negativa e a crise existencial

    1. Grande Caribé,
      Legall meu post der dado pano para as mangas do seu post. Rs Rs

      Sua visão só reforça minha percepção. Pô, o cara tem um Blog que dá para ele um certo prazer. Aí, de repente, vem o padrão industrial de produção e se impõe. Ou o cara produz para atender a determinados fins industriais / comerciais e ganha seu dinheirinho ou então curte só por prazer. (Sujeito a variações Rs Rs)

      Mas, no caso dessa galera que eu citei, acho que o prazer deles é alcançar este status, ser os pioneiros de um “novo” movimento e ganhar grana com isso. Portanto. No problem para eles!!!!!

    2. Pingback: Buzz Makers !

    3. Pingback: Camilo Oliveira

    4. Caribé,

      Eu percebi sim esse processo de entropia negativa e todos os dias acordava com a sensação horrível de não ter escrito nada, por exemplo.

      O que acontece é mais ou menos o que vc falou. Como para eu ficar contente com um post preciso dedicar várias horas a ele, acabei substituindo esse prazer pelo trabalho.

      Claro, pretendo voltar e dar a volta por cima!

      ótimo post!

      Abraços!

    5. Pingback: Alexandre Fugita

    6. Pingback: Caribé !

    7. Pingback: Caribé !

    8. Pingback: João Carlos Caribé

    9. Pingback: Caribé !

    Deixe uma resposta